30 maio 2011

gil t. sousa / marés

.
.
.
34

Os dias sucedem-se como marés, espraiam-se como portas nesse palácio absurdo que é a vida. Cada uma encerra a surpresa do futuro ou a agressão violenta do passado, numa desordem que nos domina sempre na razão inversa da vontade e do desejo.

Há pontos no tempo que são como lupas apontadas à minúcia desse caos. E é por aí que a loucura ronda e nos seduz ao limiar dos abismos, numa espécie de sonolência inocente onde todos os pensamentos concorrem para a realização desse vitral que é a alma: domínio de todas as sombras e de todos os brilhos.




gil t. sousa
falso lugar
2004
.
.
.

3 comentários:

Maria Costa disse...

Muito belo.

Obrigada.

rui teresa disse...

"Cada uma encerra a surpresa do futuro ou a agressão violenta do passado"
adorei a lucidez destas palavras, de facto andamos encaixados entre tempos que não vivemos, sofrendo de abstrações...

:-)

Moniquinha disse...

Lindíssimo! A beleza que ronda o incompreensível da vida... lindo.

Abços.