12 fevereiro 2006

Palavras em desalinho para uma despedida



Para onde foi o amor, anuncia a rádio,
com a Bette Davis, num cinema de subúrbio,
e também eu pergunto, inutilmente te pergunto,
para onde – se alguma vez, entre nós, realidade teve.
Indomada a solidão firma as suas raízes
e, canção que vem com o vento, irmana-nos no ódio.
Porque podem o cavalo e a serpente dois anos conviver
que nem por isso há-de ter neles morada a ternura,
a noite guardará os seus relances de insónia e destruição.
“Quand vous serez bien vieille”, escreveu Ronsard,
e Henry Cristophe suicidou-se com uma bala de prata,
formoso e absurdo gesto: palavras que só a Beleza selará.
Nunca a mesquinhez ou o engano serão vencidos pela idade,
nem prevalecerá a prata sobre o sangue
no desesperado estertor final.
Para onde foi o amor, oh tu, que sempre amaste,
donzela pura confiada às presas da fera.
E dias deixaste passar, e horas transparentes,
onde cada sílaba exumou o seu peso de verdade.
Ilusório domínio da tua vida,
não quiseste então, nem uma só vez o quiseste,
o tutano último das palavras,
o que nu e virgem se levantava entre elas.
Mais cómodo e alegre foi aprender aquilo que fácil se oferecia
com valor bastante para ser leiloado numa festa.
Triste é ser juiz e mais ainda ser verdugo.
Como um cego, agora, vagueio na memória
tacteio os frágeis muros onde a sombra derramaste,
esbarrando na tua lembrança, mesmo à beira do que já não existe,
infantil e torpe. Treme nas minhas mãos um punhal.
Para onde foi o amor.
Eis as palavras para uma despedida.





Juan Luís Panero
“Antes que chegue a noite”
Fenda, 2000






PS: até sempre!



3 comentários:

palavras que escrevo disse...

tremem-me as mãos, os olhos teimam e não querem ler o que nos deixas, não consigo ficar indiferente a uma despedida, vagueia em mim como uma sombra pesada,
será “um até sempre”, que este até sempre queira dizer um até já, ficarei aqui à tua espera, como sempre o fiz, virei espreitar à janela e sentir a tua presença

um abraço cheio de ternura

fernanda f disse...

do-Mundo, vais-te embora?
Se assim é, é realmente uma pena.
Pensei que tinhas voltado para ressuscitar o canal...
Sê feliz.

Fábio Dias disse...

Como um cego, agora, vagueio na memória
tacteio os frágeis muros onde a sombra derramaste,
esbarrando na tua lembrança, mesmo à beira do que já não existe,
infantil e torpe. Treme nas minhas mãos um punhal.

simplesmente... ADOREI ESTA PARTE...
Grande sentimento e muito profundo, acho que só quem passa por algo de mau consegue perceber isto