12 janeiro 2005

quatro estações #crónicas de inverno



Amontoamo-nos de frio


Amontoamo-nos de frio.
O frio das casas, o frio das camas vazias
das mãos, o frio das vozes ausentes.
O frio que nos toma nas margens inacessíveis
de nós próprios, o frio que vem cuspir-nos
apedrejar-nos, o frio da morte.
O frio do corpo que não encontra
o lugar na casa, o frio inabitável
de algumas palavras.
O frio de que não saberei salvar-nos.



diogo m. silva

2 comentários:

Instantes Perdidos disse...

Muito simples, mas poético e verdadeiro.

Diria mais um pensamento de corpo inteiro.

Diria palavras profundas de cancioneiro.

Saf disse...

El frío...
Qué bonita poesía.
Y cómo de musical es el portugués, qué maravilla de lengua.

Saf ;-))