25 julho 2011

manuel antónio pina / já não é possível

.
.
 
Já tudo é tudo. A perfeição dos
deuses digere o próprio estômago.
O rio da morte corre para a nascente.
O que é feito das palavras senão as palavras?
 
O que é feito de nós senão
as palavras que nos fazem
Todas as coisas são perfeitas de
Nós até ao infinito, somos pois divinos.
 
Já não é possível dizer mais nada
mas também não é possível ficar calado.
Eis o verdadeiro rosto do poema.
Assim seja feito a mais e a menos.
 
 
 



manuel antónio pina
ainda não é o fim
nem o princípio do mundo
calma
é apenas um pouco tarde
erva daninha
1982
 
.
.
.
 

2 comentários:

Lídia Borges disse...

Todas as escolhas denotam um gosto requintado.

Manuel António Pina não é Prémio Camões por acaso.

L.B.

Luís de Pinho-Costa disse...

Deixo aqui a minha vénia a este blog. Irei acrescentá-lo nos favoritos do meu blog já em seguida.

Deixo desde já o convite para passar em http://teladepalavras.blogspot.com/
(a Tela está também a participar num passatempo, pelo que todas as ajudas são bem-vindas)

Abraço,