27 junho 2008

formoso amigo meu, podes cantar à lua






formoso amigo meu, podes cantar à lua
e amar outros mais lestos do que eu,
roer um osso, admirar as estrelas,
seres sábio e humano, além de belo.
já vi que escreves um diário, com
as patas firmes, o pêlo luzidio,
e versos, onde porém há sempre
uma sílaba a mais, presa por fios.
pouco te importa se eu existo ou não,
e ignoras, das aranhas, o tormento
quando a teia se rasga e é urgente
tomar medidas, e tecer, à espreita
de alguma inócua presa imprevidente.
voas tão solto, lá no firmamento,
que te tomam por pássaro ou cometa;
e meditas em vastos pensamentos... só não sabes
que ao rasgares o meu leito aqui deixaste
uma gota de sangue, a que estás preso.





antónio franco alexandre
aracne
assírio & alvim
2004







2 comentários:

magnohlia disse...

Belo, como todas as escolhas que fazes.

Victor Oliveira Mateus disse...

Sim, as teias... e o fazer/viver poesia como se isso também fosse um pouco de...